Encaminhamento da documentação para o registro do Imaterial do Bará do Mercado Público de Porto Alegre

             Faz dez anos que religiosos de matriz africana, lutam para o respeito da tradição do Bará do Mercado Público de Porto Alegre.

        Em 16 de novembro de 2012, a CEDRAB, fui comunicada, que no dia 19 de novembro, haveria uma reunião da Comissão da Memória, na Secretaria da Cultura do Município, onde apresentariam a documentação para o encaminhamento do registro do Pai Bará do Mercado.

            Somente às 11horas, do dia 19 de novembro, fui convidada oficialmente a participar da reunião, através de um telefonema. Essa data foi muito significativa, por ser uma segunda-feira, dia da semana do Bará, pela tradição do batuque do Rio Grande do Sul e, também, data em que minha mãe carnal, Babalôa Zeferina da Oxum, estaria fazendo 97 anos de idade.

        Religiosamente me preparei para a reunião das 15h, fazendo orações a minha ancestralidade, pelo dia significativo. Na hora marcada estava na Secretaria Municipal da Cultura, na Avenida Independência. Fui orientada: “Mãe Norinha, a senhora será somente ouvinte dessa reunião.”

            Iniciando a reunião, Diretor da Memória de Porto Alegre, o Sr. Luiz Antônio Bolcato Custódio, justificou o anseio da comunidade de matriz africana do Estado do Rio Grande do Sul, em ver o registro do Imaterial do Bará do Mercado. Também participaram da reunião, o Sr. Pedro Vargas, do Monumenta, o arquiteto Vinicius e, o religioso Idiomar Mattos.

       A historiadora Marli Rejani d’Avila Pereira apresentou a história da importância do Mercado Público de Porto Alegre e o significado do Bará, para os religiosos de matriz africana do Rio Grande do Sul. A historiadora apresentou ao conselho um documento dos seguintes religiosos de matriz africana sobre a fé ao Bará:

*Ilsa Nunes Correa, Yá Morena de Oxalá

* Maria Angélica dos Santos, Yá Angélica da Oxum

* Leonor dos Santos Almeida, Yá Norinha de Oxalá- CEDRAB- Congregação em Defesa das Religiões Afro-brasileiras

* Alfredo Ferreira, Babá Alfredo de Xangô

* Camir Ecleison Vargas, Babá Camir de Ogum

*Clóvis Alberto Oliveira de Souza, Babá Clóvis de Xangô Arganjù – Presidente da CEUCAB _ Conselho Estadual de Umbanda e das Religiões Afros-Brasileiras

*Jorge Verardi, Babá Veraradi de Xangô – Presidente da Afobrás – Federação das Religiões Afro-Brasileiras

                 Quando questionada sobre o Passeio da Religião Afro, a historiadora pediu que eu fizesse a explicação.

          Pedindo agô a minha ancestralidade, falei de minha vivência desde criança e, do significado do Passeio para os religiosos africanistas. Muito emocionada, relembrei minha avó e minha mãe carnal. Falei da importância do Imaterial do Bará do Mercado para a comunidade de matriz africana. Ainda me emociono com a lembrança desses depoimentos e tenho certeza que meus argumentos e minha emoção foram esclarecedoras a comissão dos membros do conselho.

           Após responder as perguntas, salientei a importância da preservação da vida para os religiosos de matriz africana. Nossos antepassados foram arrancados do continente africano, acorrentados, açoitados, enforcados, queimados e, assim mesmo morreram lutando por sua religião e, afirmação da sua identidade.

                Estavam presentes na reunião no Conselho:

O COMPAHC (Conselho do Patrimônio Histórico e Cultural) é composto por membros designados pelo prefeito representando várias secretarias da Prefeitura Municipal, e representantes vinculados a entidades relacionadas à questão do patrimônio.

Têm representantes no Conselho as seguintes secretarias do município:

SMC (Secretaria Municipal de Cultura)

SPM (Secretaria do Planejamento Municipal)

SMOV (Secretaria de Obras e Viação)

PGM (Procuradoria Geral do Município)

GP (Gabinete do Prefeito)

SMAM (Secretaria Municipal do Meio Ambiente)

SMED (Secretaria Municipal de Educação)

SMIC (Secretaria Municipal de Indústria e Comércio)

As entidades que participaram do Conselho através de representantes são:

IHGRS (Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul)

IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil)

SERGS (Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul)

ARI (Associação Rio-grandense de Imprensa)

ASBEA – (Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura)

OAB (Ordem dos Advogados do Brasil)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *